30.10.2020

Cerco midiático: o lugar da esquerda na esfera “publicada”

Acesse a nova publicação da FES Brasil 'Cerco Midiático: o lugar da esquerda na esfera "publicada"', escrita por João Feres Junior, do IESP-UERJ

A comunicação pública tem sido um dos maiores problemas da democracia brasileira desde seu retorno na década de 1980. A primeira eleição presidencial após o longo período de ditadura civil-militar, em 1989, ficou manchada pela edição tendenciosa do último debate entre os candidatos Lula e Collor feita pelo Jornal Nacional. Desde então, todas as eleições presidenciais foram marcadas por esforços das grandes empresas de mídia de influenciar o resultado, e esses esforços foram, sem exceção no sentido de apoiar o candidato mais à direita.

Na cobertura jornalística da política textos elogiosos a políticos e instituições são raros, ao passo que textos meramente descritivos ou abertamente negativos abundam. Ao mesmo tempo que, há uma percepção forte de um viés a favor de candidatos de direita por meio de uma cobertura desproporcionalmente negativa para os candidatos de esquerda ou do silenciamento acerca das ações e posturas da esquerda.

As pesquisas do Manchetômetro confirmaram inúmeras vezes que essa combinação entre silenciamento e tratamento negativo desproporcional (se comparado a forças políticas à direita) é uma das principais características da cobertura dos grandes meios brasileiros em períodos eleitorais e fora deles.

Leia a publicação Cerco midiático: o lugar da esquerda na esfera “publicada”  de João Feres Junior.


Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil

FES Brasil

Avenida Paulista,
São Paulo/SP
– CEP : 01311-931

+55 (11) 94053-8248

fesbrasil(at)fes.org.br
 

volver arriba